GERENCIANDO NOTÍCIAS DE DESEMPENHO DE SEGURANÇA

A cara da empresa

“O supervisor tem o trabalho mais difícil do negócio” 
   
 ~ Richard P. Balmert
Gerente de Fábrica
 

Quem é o líder mais importante em sua organização?
 
Tenho certeza de que a resposta é óbvia - para você. É o seu CEO, COO, talvez o CFO. Eles são os líderes na suíte C, como os analistas financeiros gostam de chamar o lugar, que tomam as grandes decisões, fazem os grandes negócios, assinam os grandes cheques, movem a agulha quando fazem o grande discurso e aparecem em o canal de negócios para a grande entrevista. 
 
É justo. É por isso que eles recebem muito dinheiro.
 
Tente pensar sobre a questão no contexto da segurança. Quando se trata de fazer com que as pessoas boas que fazem o trabalho da sua empresa voltem para casa, vivas e bem no final do dia, quem realmente é o líder mais importante na empresa? É o líder no escritório de canto da sede mundial ou um líder diferente trabalhando em outra parte da empresa?
 
A resposta é óbvia - para mim. Pelo menos agora Quando se trata de gerenciamento de segurança, o líder mais importante na empresa é aquele com o escritório de canto - direto do chão de fábrica.
 
Esse líder não é apenas o mais importante para a segurança, mas também tem mais poder para garantir que todos realmente voltem para casa em segurança.
 
Se isso soa totalmente absurdo para você, você precisa investir alguns minutos examinando o papel que o supervisor da linha de frente desempenha liderando e gerenciando o desempenho de segurança. A evidência de apoio irá convencê-lo do contrário.
 
Tem a mim.

Funções de liderança do supervisor da linha de frente
 
Hoje, você não encontrará maior fã do supervisor da linha de frente do que eu. Mas não começou assim. Algumas semanas em minha carreira industrial - um mês afastado do colégio e dois meses antes de ir para a faculdade - como ajudante geral no turno da meia-noite em uma fábrica de produtos químicos, eu estava trabalhando para uma. Supervisor de sorte: primeiro ter que treinar e depois tentar me controlar impetuosamente. 
 
Numa manhã de sábado, durante o café da manhã, eu estava reclamando do meu primeiro chefe para meu pai. “Por que esses caras estão mesmo na folha de pagamento?” Foi quando recebi minha primeira aula de gestão industrial. Como meu pai - que por acaso era o gerente da fábrica naquela fábrica - disse: “Paul, o supervisor tem o trabalho mais difícil do negócio”.  
 
Foi um grande momento de alta influência! 
 
Lição aprendida, naquele momento e bem ali. Todos os dias, o supervisor da linha de frente é pessoalmente responsável por gerenciar um conjunto de atividades que desempenham um papel direto na determinação do resultado de segurança do dia. Eles desempenham essas funções porque foram delegados por seus líderes: é seu trabalho no que se refere ao gerenciamento do desempenho de segurança.
 
Quanto a quais são essas funções, é tudo muito óbvio. O supervisor de primeira linha treina e qualifica os membros de sua tripulação. O supervisor da linha de frente autoriza o trabalho realizado por sua equipe e decide quem o executa. Também conhecido como “permissão de trabalho” e “atribuição de trabalho”. O supervisor da linha de frente observa o desempenho do trabalho de sua equipe e deve corrigir o comportamento inseguro e reforçar o comportamento seguro. O supervisor da linha de frente conduz a reunião de segurança da caixa de ferramentas, comunica as mudanças nos procedimentos de segurança, gerencia sugestões de segurança. Quando algo dá errado, o supervisor da linha de frente obtém o primeiro relatório e inicia a resposta. Se o problema não for significativo, espera-se que o supervisor da linha de frente resolva o problema.
 
Essas funções atribuídas somam-se à execução de segurança. A qualidade do desempenho dessas funções de liderança determina em grande parte o desempenho da segurança. Não acredite na minha palavra: pegue sua lista de lesões, leia suas causas imediatas - como “falta de treinamento” e “falhou em seguir o procedimento” - e pergunte-se qual líder na empresa estava mais bem posicionado para prevenir que aconteça. Na maioria dos casos, será o supervisor da linha de frente. Sim, o papel do supervisor da linha de frente é tão importante. 
 
Mas espere, tem mais.
 
É a questão de saber o que está acontecendo. Pense nisso como visibilidade de desempenho, que é exatamente saber o que está realmente acontecendo, para melhor ou para pior. A visibilidade do desempenho fica na outra extremidade do espectro da percepção. A percepção confusa com a realidade tem se mostrado prejudicial para as carreiras e fatal para as pessoas no trabalho.
 
De qualquer membro da administração, o supervisor da linha de frente está na melhor posição para conhecer a realidade pelo que ela é. Eles veem em primeira mão a condição das ferramentas e equipamentos; a eficácia e conformidade de métodos e procedimentos; a habilidade e o nível de desempenho de quem faz o trabalho. O problema que todo executivo enfrenta - quer se importem em admitir ou não - é que quanto mais longe estão da operação, menos provável que saibam o que realmente está acontecendo deles Operação. 
 
Este não é um fenômeno novo. Peter Drucker caracterizou-o como “o isolamento do Chefe do Executivo”. Em 1954, ele escreveu: “... tudo o que é trazido ... para informação ou decisão é necessariamente pré-digerido, formalizado e abstrato. É mais uma destilação do que a matéria-prima da vida. ” Você pode ver o problema: as coisas que realmente importam para a segurança são a “matéria-prima” da vida real nas operações. 
 
Se informação é poder, quanto poder você acha que um CEO com visibilidade de desempenho limitada realmente tem?
 
Depois, há a questão da influência.
 
É justo dizer que um executivo tem muito mais poder formal do que um supervisor da linha de frente. Diferenciada do poder formal, uma função do nível de trabalho e design, a influência opera com base em fatores de relacionamento como confiança, respeito e credibilidade. Influência pode ser um poder brando, mas não pense que essa forma de poder não é ... uh ... poderoso.
 
Nas últimas quatro décadas, várias pesquisas de organizações foram conduzidas sobre a questão da influência. As pessoas são questionadas: "Quando chega a hora de falar com você sobre os assuntos da empresa, em que nível da empresa há mais confiança, respeito, credibilidade - e influência?"
 
As descobertas são notavelmente consistentes, não importa a empresa ou negócio: esmagadoramente, a resposta é "meu supervisor". 
 
Faz todo o sentido: os relacionamentos importam para influenciar; a proximidade é importante para os relacionamentos. Para quem está fazendo o trabalho, o supervisor da linha de frente é realmente a cara da empresa.
 
Poder: Teoria Versus Prática
 
Com relação ao poder de gerenciar a segurança, há mais uma coisa importante que todo líder precisa entender. Enquanto a visão teórica do organograma sugere que os altos escalões sempre têm mais poder do que os escalões inferiores, na prática, não é assim que o poder necessariamente funciona.
 
Você já entendeu um motivo: a influência - soft power - aumenta com a proximidade. Organizacionalmente, quanto mais próximo o líder está do seguidor, mais influência o líder tem sobre o seguidor. Não é o contrário.
 
No caso da segurança, há um segundo motivo pelo qual o poder não segue o organograma: interromper o trabalho. Em minhas viagens, ainda não conheci ninguém no mundo que não tivesse ouvido: “Se você acha que o emprego não é seguro, pode interromper o trabalho”. Tenho certeza que sim, e confio em interromper aqueles trabalhos que considera inseguros.  
 
Quando se trata de segurança, a capacidade de interromper o trabalho é a mais pura forma de poder formal que qualquer pessoa pode ter. O poder é absoluto e o resultado é garantido. O trabalho é interrompido e ninguém se machuca. Isso é poder!
 
Quem tem o poder de interromper um trabalho? Qualquer um. Todos. 
 
Na prática, quem tem maior probabilidade de se encontrar em posição de exercer esse poder? Parar um trabalho que precisa ser interrompido? A resposta é tão óbvia: a pessoa que está fazendo o trabalho e seu supervisor na linha de frente. 
 
Mais uma razão para explicar por que o supervisor da linha de frente é tão importante - e poderoso - na prática.
 
A percepção não é realidade
 
O poder da organização serve como um exemplo perfeito para desmascarar o mito: “Percepção é realidade”. Realidade é realidade, mesmo quando não parece ser assim. Embora o supervisor da linha de frente possa ser percebido como sem autoridade e praticamente invisível para a alta administração, na realidade, o supervisor da linha de frente desempenha um papel extremamente importante e incrivelmente poderoso no gerenciamento do desempenho da segurança.
 
Se você é um supervisor de linha de frente, a melhor coisa que pode fazer é valorizar o poder que você tem e colocá-lo em bom uso para fazer a diferença. 
 
Se você é um líder sênior, a melhor coisa que pode fazer é apreciar o poder que é investido por você em seus supervisores de linha de frente e tirar o máximo proveito de seu poder. O caminho para a excelência em segurança passa direto pelos supervisores da linha de frente.
 
Paul Balmert 
Setembro de 2021

 

Espalhe a palavra

Compartilhar facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar linkedin
Compartilhar no Linkdin